Franquia de alimento saudável a base de frutas frescas e chocolate

Estima-se que mais de um bilhão de pessoas consomem chocolate e, de acordo pesquisa de mercado europeia, o Brasil é o terceiro maior mercado consumidor de chocolate do mundo. De acordo com a ABICAB (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados), são 500 milhões de quilos de chocolate consumidos por ano pelos brasileiros, e a franquia Fábrica Di Chocolate aposta na versatilidade do chocolate, que faz do alimento uma opção adequada para todas as situações.

No mix de produtos da franquia, além do melhor fondue de frutas com chocolate do mundo, os quiosques produzem espetos de frutas cobertas por chocolate, sobremesas clássicas com chocolate, bombons trufados, pirulitos e até moedas de chocolate. Tudo produzido no próprio quiosque, aproveitando ao máximo os insumos. Para quem enjoa de chocolate, se é que isso é possível, a marca ainda oferece sucos, vitaminas, salada de frutas, açaí no copo e, para os dias mais quentes, gelato natural de frutas feito na hora.

Frutas frescas da estação adquiridas diretamente pelo franqueado em sua região. A variação de preços das frutas ajuda no maior faturamento, uma vez que frutas sazonais tem menor preço em sua época.

Todo franqueado passa por um treinamento completo da Fábrica Di Chocolate e assistência contínua para assegurar o sucesso da operação. A qualidade do produto vendido é uma das maiores preocupações da franquia, por isso faz parte do treinamento uma aula sobre como selecionar as frutas certas da estação e mapeados os locais adequados para compra na região do franqueado. Além disso, o chocolate é adquirido de fornecedores homologados pela franquia, garantindo um produto de alta qualidade, sem gordura hidrogenada e sem gordura trans.


Setor de Chocolates: Segundo levantamento da ABICAB, a produção de chocolates no primeiro semestre de 2019 foi de 277 mil toneladas, crescimento de 2,5% em comparação ao mesmo período no ano anterior. Em 2018, a produção total alcançou 761 mil toneladas, incluindo achocolatados em pó, sendo 6,5% maior em relação a 2017.

Fontes: Caobisco (Chocolate, biscuits & confectionery of
Europe); Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau,
Amendoim, Balas e Derivados);